Tv Brasil (336)
22.Out.2016

Programas infantis da TV Brasil são indicados para o Emmy Kids 2016

As produções infantis O Show da Luna e SOS Fada Manu, da TV Brasil, foram indicadas para o Emmy Kids Internacional 2016.

O desenho SOS Fada Manu é uma coprodução da EBC, Gloob e Boutique Filmes com previsão para estrear na TV Brasil a partir de dezembro deste ano. Já a animação O Show da Luna é exibida na faixa da Hora da Criança, no canal, de segunda a sábado. Realizada pela TV Pinguim, conta com a produção musical de André Abujamra. A premiação acontecerá em cerimonia em Cannes, na França, no dia 4 de abril de 2017.

“Esses dois produtos cumprem a missão da EBC de fortalecer e incentivar a produção independente e também ressalta o fato de a TV Brasil ser a única emissora aberta que tem quase 7 horas diárias de programação infantil”, pontua a Diretora de Produção Artística, Cida Fontes.

 “A indicação é gratificante pois mostra que o compromisso da EBC em oferecer conteúdos relevantes para o público infantil está sendo cumprido com louvor”, afirma. Ela destaca que esse compromisso existe desde a criação da emissora e é mantido pela atual diretoria.

A série O Show da Luna conta a história de Luna, uma garotinha curiosa e alegre, sempre cheia de perguntas e disposta a investigar o mundo para desvendá-las. Para ela, o planeta Terra é um laboratório gigante e todos os acontecimentos são fenômenos a serem investigados, sempre na companhia do irmãozinho, Júpiter, e do furão de estimação da família, Cláudio. A trama traz como elementos centrais a ciência, a imaginação e a música, explicando sobre o processo científico com humor e situações lúdicas. 

O infantil SOS Fada Manu acompanha os desafios enfrentados por Manu como aprendiz de Fada Madrinha. A personagem tenta resolver os problemas do Reino usando seu guarda-chuva como varinha de condão. Em sua busca, esbarra com personagens dos contos de fada que vivem situações inusitadas e são apresentados de uma forma diferente da que são conhecidos nas histórias infantis. A protagonista sempre conta com a ajuda de seus amigos, o medroso João e Duque, um sapo que acredita ser nobre.

22.Out.2016

Claun - Os dias aventurosos de Ayana

Aventura acompanha saga da jovem Ayana no universo dos bate-bolas e clóvis do carnaval do Rio de Janeiro.

O filme “Claun - Os dias aventurosos de Ayana” é uma fábula sobre a cultura dos mascarados do carnaval carioca.

A trama narra a história de Ayana, uma menina de 13 anos, que se envolve no universo dos bate-bolas e clóvis do carnaval do Rio de Janeiro, e embarca em uma jornada de aventura, mistério e fantasia.

A produção dirigida por Felipe Bragança é uma parte do projeto transmídia homônimo. O cineasta também é o responsável pelos filmes “A Fuga da Mulher Gorila”, “Desassossego” e “A Alegria”. Reprise. 70 min.

Ano de estreia: 2013.

Gênero: aventura/fantasia.

Direção: Felipe Bragança, com Jennifer Melo, Márcio Vito, Remo Trajano, Eduardo Speroni, Júnior Moura, Carolina Lavigne, André de Souza.

Classificação Indicativa: 14 anos.

Serviço: Cine Nacional, sábado (22), às 17h30, na TV Brasil.

13.Out.2016

A Vizinhança do Tigre

Trama do premiado filme nacional se passa na região de Contagem, em Minas Gerais.

Juninho, Menor, Neguinho, Adilson e Eldo são jovens moradores do bairro Nacional, periferia de Contagem, em Minas Gerais. Divididos entre o trabalho e a diversão, o crime e a esperança, cada um deles terá de encontrar modos de superar as dificuldades e domar o tigre que carregam dentro das veias.

Dirigido por Affonso Uchôa, o drama social “A Vizinhança do Tigre” conquistou diversos prêmios em festivais brasileiros de cinema.

O longa foi reconhecido com o Prêmio de Melhor Filme pelo Júri Oficial e pela Crítica na Mostra de Tiradentes. Também ganhou o Prêmio de Melhor Filme no Festilval Olhar de Cinema (Curitiba), no Cachoeira DOC (Bahia) e no Fórum DOC BH.

A produção ainda foi lembrada com o Prêmio Nova Mirada, na Semana dos Realizadores (Rio de Janeiro). Inédito. 94 min.

Ano: 2014. Gênero: drama social. Direção: Affonso Uchôa, com Aristides de Souza, Eldo Rodrigues, Adilson Cordeiro, Maurício Chagas e Wederson Patrício.

Serviço: Cine Nacional, quinta (13), às 21h20, na TV Brasil.

13.Out.2016

Brasileiro, profissão empreendedor

 

Caminhos da Reportagem mostra que quem arregaça as mangas para se tornar patrão de si mesmo encontra menos dificuldades que há algumas décadas.

Ser dono do próprio negócio está no imaginário de três em cada dez brasileiros. É o maior desejo dos trabalhadores, atrás apenas de comprar a casa própria e viajar, descobriu uma pesquisa do Sebrae. Segundo a instituição, concretizar essa vontade é cada vez mais possível: em 2014, registrou-se a maior taxa de empreendedorismo do país. Já são mais de 45 milhões de pessoas empreendendo. É gente como Raphael Krás, o irreverente dono da rede Hareburguer, que começou vendendo sanduíche na praia e descobriu sua vocação: “amo fazer hareburger.”

Com mais facilidades para obter crédito e uma legislação que protege o pequeno empresário, de Norte a Sul do país, o empreendedorismo se firma como alternativa para favorecer o crescimento econômico e gerar empregos. É o que acontece nos locais que o programa visitou: Florianópolis, Rio, São Paulo, Rio Branco, Recife e Santa Cruz do Capibaribe (PE).

No agreste pernambucano, a Feira da Sulanca começou na década de 1940 com um grupo de pessoas que precisavam buscar seu sustento. Hoje, é parte de um polo de confecções que movimenta a economia do Nordeste, graças à perseverança e o espírito empreendedor de seus criadores. Margarida Monteiro tem uma das maiores lojas de tecido da região e quer mais. “Ainda tenho muitos planos”, diz, aos 83 anos.

Pensar grande, como Dona Margarida, foi um dos ensinamentos que a jovem e premiada empreendedora Bel Pesce, autora do livro A menina do Vale, aprendeu cedo e hoje passa à frente.“Se o empreendedor é alguém que quer criar soluções, criar produtos e serviços para suprir uma necessidade que ainda não exista e tocar vidas, é algo que eu sempre quis fazer na minha vida”, revela.

Reportagem: Flávia Grossi

Imagens: Eusébio Gomes

Auxiliar técnico: Caio Araújo

Edição de texto: Luciana Góes e Renata Cabral

Edição de imagem e finalização: Fábio Melo

Produção de Conteúdo: Carolina Pessoa, Luciana Góes, Márcio Parente e Renata Cabral

Produção executiva: Linei Lopes

Arte: Dinho Rodrigues

Direção: Rafael Casé

Serviço: Caminhos da Reportagem, quinta (13), às 20h40 (Horário de Brasília) De quinta para sexta, às 2h | Segunda, Quarta, Sexta e Domingo, às 5h30, na TV Brasil.

13.Out.2016

Você conhece a síndrome do ninho vazio?

Programa esclarece assunto que está na peça "Até o final da noite"

No Sem Censura desta quinta (13/10), a psicóloga Eda Fagundes explica o que é a síndrome do ninho vazio.

Especialista em educação internacional, Mariana Mattos traz dicas sobre intercâmbio.

A apresentadora Leda Nagle ainda bate um papo com a atriz Angela Vieira e com o ator Isio Ghelman que estreiam o espetáculo "Até o final da noite". A trama da peça aborda os temas em debate pelas demais convidadas do programa.

No momento musical do Sem Censura, a cantora Wanda Sá fala sobre o lançamento do novo álbum "Cá entre nós".

Apresentadora e Editora-chefe: Leda Nagle

Diretora: Cristina Ferreira

Assistente de direção: Filipe Cavalcanti

Produtores executivos: Anna Brandão, Rafael Tavares e Manoel Borges

Serviço: Sem Censura, quinta (13), às 15h, na Tv Brasil.

10.Out.2016

 

Tchuma Tchato – natureza de Moçambique

O documentário Tchuma Tchato, que significa “as nossas riquezas”, acompanha um projeto pioneiro no qual o governo moçambicano estimulou a população a explorar e proteger a terra em conjunto.

Tchuma Tchato é um projeto pioneiro no qual o governo moçambicano estimula a população a explorar e proteger a terra em conjunto. Uma tarefa que coube a um técnico em fauna bravia e funcionário do Ministério da Agricultura que trabalhou em conjunto com a população e estruturas do poder provincial durante quatro anos.

Não foi uma tarefa fácil convencer as pessoas dos benefícios do método, o que implicou, por exemplo, a determinação de que eles não poderiam mais caçar os animais selvagens na área. No início, houve fortes reações e grande resistência por parte de alguns que lucravam com a caça e o comércio ilegal de produtos da caça.

Em consonância com a cultura tradicional, todos os espíritos da região também tiveram que dar sua permissão antes que o projeto pudesse ter sucesso. Representados por animais – o Leão, o Macaco e a Serpente – estes deram o seu aval às mudanças. Todos, menos o espírito do Leopardo, o grande predador. Seguindo seus hábitos ancestrais, o Leopardo quer continuar a caçar.

O documentário narra esta primeira experiência moçambicana de gestão comunitária dos recursos naturais, as reuniões de mobilização, as discussões com a população, o trabalho de fiscalização e vigilância.

País: Moçambique

Duração: 56’:47’’

Ano 1997

Direção: Licínio de Azevedo

Produção: Ebano Multimédia

Serviço: Nossa Língua, segunda (10), às 22h20, na TV Brasil.

10.Out.2016

Grupo Sobrevento e o teatro de objetos

Criado há 30 e reconhecido internacionalmente, o Grupo leva um pouco de sua arte ao programa.

Em 1986, Luiz André Cherubini, Sandra Vargas e Miguel Vellinho criaram o grupo Sobrevento, no Rio de Janeiro. Atualmente sediado em São Paulo, o Sobrevento faz teatro de bonecos, teatro de animação e teatro de objetos. Ou melhor, faz teatro! Como dar vida a objetos? Luiz André Cherubini, Sandra Vargas mostram isso neste Arte do Artista.

Direção geral e apresentação: Aderbal Freire-Filho

Direção artística: Fernando Philbert

Produção artística: Sérgio Cardia

Produção: Bruno Souza, Charles Oliveira, Ingrid Gassert e Jefferson Mendes

Criação e texto: Aderbal Freire-Filho

Roteiro: Simplício Neto

Edição e finalização: Daniele Vallejo

Estagiária de produção: Camila Oka

Serviço: Arte do Artista, segunda (10), às 20h50, na TV Brasil.

10.Out.2016

MC Soffia: sabedoria juvenil

Na semana do Dia da Criança, o Estação Plural conversa MC Soffia, menina que faz sucesso como cantora e usa música para falar de respeito e de racismo.

Aos 12 anos de idade, MC Soffia entende de coisa séria, mas também gosta de brincar. Brincadeira de criança, empoderamento infantil e bullying são os temas do programa.

“Pra mim é tudo uma brincadeira, mas eu sei também que é um papo sério e eu vejo que o meu trabalho está sendo mostrado pras pessoas que já sofreram racismo, podem estar se inspirando em mim”, relata Soffia.

No quadro Pajubá, o desafio é descobrir o que quer dizer “bizu”. Será que MC Soffia acerta essa?

Confira alguns trechos do programa:

Mc Soffia acredita que a opinião dos jovens deve ser ouvida

Fefito relata caso de bullying sofrido na infância

 Produção: Vitor Chambon, Priscila Cestari, Renato Fanti, Patrícia Lima

Roteiro: Ana Ribeiro

Direção: Cássia Dian

Serviço: Estação Plural, segunda (10), às 21h20, na TV Brasil.

 

Comente e participe, ajude-nos a deixar nossa tv pública cada vez mais sua